terça-feira, setembro 25, 2018
Home Notícias Turismo “Temos projeto para um hotel”, diz presidente da Fluss Haus

“Temos projeto para um hotel”, diz presidente da Fluss Haus

2815

Construída em uma pequena comunidade rural de São Martinho, a Fluss Haus é famosa em Santa Catarina pelas bolachas artesanais que produz.

Em entrevista ao jornalista Moacir Pareira do Diário Catarinense, o empresário do setor turístico e proprietário da Fluss Haus, Lindomar Feuser, falou sobre o empreendimento e destacou a intenção de ampliar a área de atendimento aos turistas no empreendimento localizado em São Martinho.

Construída em uma pequena comunidade rural, a Fluss Haus é famosa em Santa Catarina pelas bolachas artesanais que produz. Acompanhe a entrevista concedida ao Diário Catarinense:

Quais os novos planos do senhor para a Fluss Haus?

Estamos pensando em grandes investimentos para reduzir custos e atrair mais público. Está prevista a instalação de energia fotovoltaica para termos energia própria. Temos projeto para um hotel, mas de médio prazo.

Se não existisse a Fluss Haus o que teria acontecido?

Não existiria mais a comunidade de Vargem do Cedro. Ficariam apenas os mais idosos. Tínhamos apenas uma criança nascida a cada dois anos. Não teríamos mais creche, igreja, supermercado. Só em 2017, pelo emprego, nasceram 15 crianças pelos novos casais. O êxodo rural está muito forte e há várias comunidades vizinhas que estão sumindo. É uma tristeza. Há necessidade de mais investimentos para segurar o homem no campo. Tem saída e oportunidades para ganhar dinheiro no interior.

Qual a maior aspiração da população para melhorar o turismo?

Carecemos de mais treinamento técnico para as pessoas melhorarem seus conhecimentos. As pessoas têm vontade, querem trabalhar, mas não têm conhecimento técnico. O turista está aí. Vem para passear e gastar.

E a infraestrutura?

Falta asfalto de São Martinho a São Bonifácio. E facilitar os recursos para as pessoas empreenderem. A maior dificuldade hoje é a burocracia para se conseguir empréstimo. São agricultores que enfrentam uma papelada com 30 folhas, processos, tramitações etc. Não estimula.

Onde o senhor aprendeu a montar esse negócio?

Viajando pela Europa. Em 2010 estive na Alemanha. Descobri que eles fazem um turismo muito simples. É só capricho e flores. E qualidade no atendimento. Fui na cidade mais antiga da Alemanha, Trier, 16 anos antes de Cristo. As construções estão todas lá, mas com flores de cima a baixo. Então, é só embelezar com flores e caprichar. Na primeira semana, voltando da Alemanha, compramos flores para 300 floreiras. De janeiro a dezembro, nosso jardim está sempre impecável. Usamos sempre as flores da época. Temos um jardineiro só para cuidar do embelezamento.

Comments

comments