Home Notícias Geral Servidores da Celesc são afastados após serem denunciados por corrupção

Servidores da Celesc são afastados após serem denunciados por corrupção

883

Organização criminosa desbaratada pelo GAECO na operação On/Off cobrava propina para efetuar ligações elétricas em construções irregulares em Arroio do Silva.

O Ministério Público de Santa Catarina (MPSC) obteve medida cautelar para afastar das funções públicas três servidores da Celesc em Araranguá – dois efetivos e um terceirizado. Os três foram denunciados, com mais duas pessoas, por organização criminosa e corrupção.

Os crimes atribuídos aos denunciados foram apurados pelo Grupo de Atuação Especial de Combate às Organizações Criminosas (GAECO) na Operação On/Off, desenvolvida em junho deste ano. De acordo com a 2ª Promotoria de Justiça da Comarca de Araranguá, as investigações constataram que o grupo criminoso viabilizava a ligação de energia em imóveis irregulares em troca de propina.

Segundo a Promotora de Justiça Maria Claudia Tremel de Faria, um termo de ajustamento de conduta (TAC) firmado entre o MPSC, a Celesc e o Município de Arroio do Silva estabeleceu, dentre outras obrigações, que a ligação nova de luz em imóveis urbanos só pode ser feita após a apresentação pelo interessado de autorização específica concedida pela Municipalidade.

A autorização do Município, por sua vez, somente poderia ser emitida pela Prefeitura mediante a entrega de uma série de documentos comprobatórios da regularidade do imóvel e vistoria pela fiscalização atestando estar o imóvel em conformidade com as exigências legais e do TAC, como, por exemplo, não estar situado em loteamento clandestino ou em área em que a lei proíbe edificações.

O grupo criminoso associou-se, então, com o objetivo de burlar os termos do acordo para aferir vantagem patrimonial, dividindo posteriormente os valores cobrados ilicitamente. O valor da propina era, em média, de R$ 1,5 mil. Cada um dos integrantes desempenhou uma tarefa específica na organização criminosa.

Para o Ministério Público, as ligações novas de energia elétrica em imóveis irregulares apenas eram concretizadas em razão das funções desempenhadas pelos três funcionários públicos e, portanto, é imprescindível afastá-los cautelarmente dos cargos e empregos, de modo a impedir a reiteração criminosa e prejuízos à instrução processual.

Diante dos fatos apresentados pelo Ministério Público, o Juízo da 2ª Vara Criminal da Comarca de Araranguá deferiu o afastamento cautelar. O Poder Judiciário ainda não se manifestou sobre o recebimento da denúncia, uma vez que, por se tratarem de funcionários públicos, o recebimento ou não só será avaliado após a defesa preliminar dos réus.

Comments

comments