quarta-feira, abril 14, 2021
Home Notícias Geral Praia do Rosa: moradores pedem fiscalização e policiamento por meio de petição...

Praia do Rosa: moradores pedem fiscalização e policiamento por meio de petição online

250
#Pracegover Foto: na imagem aparece muitas pessoas aglomeradas na area da praia e o mar

Eles temem que ocorra um colapso na saúde por causa da aglomeração em tempos de pandemia

Uma petição online deverá ser enviada em breve à prefeitura de Imbituba e também ao Ministério Público. O intuito da iniciativa é de mais atenção para a Praia da Rosa. Até esta quarta-feira (6), às 15h30 mais de 2.6 mil pessoas assinaram a petição.

Os moradores e idealizadores da ação pedem em uma lista de medidas para que ocorra um planejamento, fiscalização e policiamento no local. Eles temem que ocorra um colapso na saúde por causa da aglomeração em tempos de pandemia.

Além disso, os habitantes pedem a preservação com o meio ambiente. Segundo eles há descarte de lixo em locais impróprios e ‘eventos’ sem horário para encerrar no município.

Carta aberta

Considerando que nós, moradores(as) da Praia do Rosa/bairro de Ibiraquera, da cidade de Imbituba/SC, não consentimos com a atual e lamentável situação da Praia do Rosa;

Considerando o avanço dos casos de Covid-19 na região, a qual não possuí estruturas para combater uma contaminação em massa;

Considerando que a comunidade da Praia do Rosa/bairro de Ibiraquera têm sofrido com o grande número de bares/baladas, na maioria das vezes em locais impróprios e de forma irregular, sem estrutura e isolamento acústico para tal ; que a algazarra sem hora para acabar é uma realidade que assola o sossego e o bem-estar local; que a Praia do Rosa, em especial em suas faixas de areia, está sendo invadida por um “público predatório” , pessoas sem educação e noção, portando seus coolers e caixas de som (mesmo sendo proibido), as quais concentram milhares de pessoas que, além de fazerem o consumo de álcool e drogas ilícitas, importunam a tranquilidade e o sossego alheio e naturalizam o ato de degradar a natureza e descartar seu lixo em locais impróprios;

Considerando que, no período entre natal e ano novo, muitos bares/baladas, mesmo após terem sido interditados, foram filmados operando “normalmente”, repletos de aglomero, ignorando os protocolos sanitários, infringindo a lei, desrespeitando a finalidade de seus respectivos alvarás e debochando do Poder Público e da comunidade;

Considerando que não é justo obrigar moradores e turistas a ouvirem som em alto volume na praia, em locais públicos e em suas próprias residências; que não legítimo e razoável impedir o descanso e a paz daqueles(as) que os querem e/ou necessitam para enfrentar uma jornada exaustiva de trabalho;

Considerando ser necessário planejamento, fiscalização e policiamento na Praia do Rosa/bairro de Ibiraquera, bem como ser amplamente possível unir diversão, consciência e respeito e aliar a preservação de vidas e da natureza às necessidades economicas da comunidade local, as quais não podem ser pensadas e reguladas separadamente;

Considerando o total descaso da Prefeitura e dos órgãos públicos frente ao enfrentamento da pandemia e ao turismo predatório que estamos recebendo, o qual, em sua grande maioria, enxerga na Praia do Rosa como uma oportunidade para realização de festas clandestinas, balbúrdia, consumo/comercialização de drogas lícitas e ilícitas em locais públicos e privados;

Considerando que como consequência do acima exposto, o turismo que realmente movimenta a econômica local e respeita a essência e a cultura da Praia do Rosa e Ibiraquera está cada vez mais distante, bem como que A NOSSA COMUNIDADE EXISTE E CONTINUARÁ RESISTINDO;

Viemos à público, por meio desta carta aberta, demonstrar nossa revolta e indignação com o atual e triste cenário da Praia do Rosa e suplicar por AÇÕES IMEDIATAS E EFETIVAS da Prefeitura Municipal de Imbituba, com o intuito de evitar um colapso em nosso sistema de saúde, fomentar o turismo consciente, preservar o meio ambiente, evitar lixo nas faixas de areia e vias públicas e devolver a nós, residentes, nosso bem-estar e sossego, garantindo a paz e a boa convivência entre todos.

Faz-se URGENTE que o Poder Público reaja e tome providências para garantir a segurança, saúde e bem-estar e dos moradores – e também dos turistas que vêm desfrutar das belezas do nosso lar.

Nesse sentido, propomos algumas medidas:

1. Desenvolvimento de um plano de planejamento futuro, com a realização de estudo técnico com auxílio de urbanistas e técnicos urbanos para analisar e sugerir medidas mais restritivas;
2. Fiscalização contínua e eficaz em nossas praias, bares, baladas, pousadas, hostels e casas de aluguel;
3. Efetivar a proibição de caixas de som portáteis em locais público, em especial nas faixas de areia, com o intuito de evitar aglomeração e festas com consumo excessivo de álcool e drogas ilícitas, preservando, desta forma, a tranquilidade e o sossego de residentes e turistas;
4. Fechamento de bares/baladas em funcionamento de forma irregular;
5. Proibição de venda de bebidas alcóolicas entre meia-noite e 06h da manhã;
6. Proibição do consumo de bebidas alcóolicas em locais públicos;
7. Fiscalização efetiva e contínua, com policiamento no centrinho da Praia do Rosa, a partir das 19h, evitando possíveis aglomerações, consumo de drogas e desagradáveis impasses com o direito de ir e vir de residentes e turistas;
8. Realização de campanha de conscientização tendo como público turistas e moradores, a fim de despertar a consciência de que somente unidos seremos capazes de superar esses desafios;
9. Organização e planejamento da Prefeitura de Imbituba em relação a Praia do Rosa, valorizando este ponto turístico tão importante e fundamental, promovendo turismo consciente e de base comunitária, conservando suas paisagens naturais e sua biodiversidade ecológica, garantindo espaços públicos, tais como calçadas;
10. Realização de estudos técnicos para a criação de decretos mais restritivos para a abertura de bares/pub’s/baladas.

Por fim, nós abaixo, assinamos esta carta aberta e contamos com vocês neste esforço coletivo.

Comments

comments