Parosmia: a terrível sequela da covid-19

1930

As perdas de paladar e olfato se tornaram dois sintomas marcantes no início da pandemia para quem contraía covid-19. No entanto, uma parcela das pessoas que sofreram com esses efeitos ainda teve que lidar com uma sequela ainda mais brutal durante a recuperação: uma condição chamada parosmia.

Parosmia é um distúrbio de olfato que faz o odor de tudo ficar distorcido ou com cheiro de podridão. Durante este artigo, nós falaremos o que é sabido sobre a parosmia até agora, incluindo principais causas, duração média e tratamento. Preste bem atenção!

O que é a parosmia

(Fonte: Freepik)

Pelo fato de sentidos como o paladar e o olfato estarem extremamente conectados, a parosmia pode se tornar um verdadeiro pesadelo na hora de saborear alimentos e realizar refeições. Coisas que antes cheiravam bem podem adquirir um odor extremamente desagradável — o que desperta a repulsa na hora da ingestão.

Indivíduos que sofrem com a parosmia acabam desenvolvendo um distúrbio alimentar, uma vez que as comidas apetitosas podem se tornar impossíveis de serem consumidas. Pelo que se sabe sobre essa condição até hoje, a parosmia pode ser causada por uma série de fatores. São eles:

  • infecções no trato respiratório superior;
  • lesões na cabeça;
  • problemas de sinusite severa;
  • exposição a toxinas;
  • condições neurológicas como epilepsia ou doença de Parkinson.

Como a parosmia pode afetar a sua vida

(Fonte: Pixabay)

Pessoas que sofrem com a parosmia podem observar uma considerável queda na qualidade de vida após o trauma. Por exemplo, enfermos com essa condição tendem a desenvolver redução do apetite, perda de peso severa e até mesmo depressão. Em alguns casos, esse problema de saúde acaba se tornando também um complicador profissional.

Em funções onde o olfato e o paladar são essenciais, como cozinheiros, floristas e bombeiros, o trabalho se torna muito mais difícil e desgastante. Além disso, aumenta o risco de uma pessoa sofrer algum tipo de acidente doméstico por não conseguir sentir o cheiro de gás, comida queimada ou fumaça. 

Alguns tipos de odor distorcido que as pessoas com parosmia relatam sentir para tudo incluem:

  • esgoto ou lixo;
  • carne ou ovo podre;
  • cheiro de queimado;
  • gasolina;
  • cheiros metálicos;
  • amônia ou vinagre.

Risco de desenvolver a parosmia

(Fonte: Pixabay)

Os pesquisadores ainda estão tentando entrar em um consenso a respeito da conexão entre a parosmia e a covid-19. Em junho de 2021, uma enquete feita com 1.299 participantes descobriu que 10,8% deles relataram terem tido parosmia após serem infectados pelo novo coronavírus.

O mesmo estudo descobriu que uma metade dessas pessoas relatou um início súbito de parosmia, enquanto a outra relatou um início gradual. De maneira geral, essa condição pode desaparecer aos poucos com o tempo, mas melhoras costumam ser sentidas após semanas ou até meses.

Em maio de 2021, por sua vez, um estudo feito com o banco de dados dos Institutos Nacionais da Saúde dos Estados Unidos teve a conclusão de que a parosmia em pacientes com covid-19 pode durar de 9 dias a 6 meses. No entanto, existem relatos na internet de pessoas afirmando estarem sofrendo com essa condição por períodos ainda mais prolongados.

Tratamentos para a parosmia

(Fonte: Pixabay)

Apesar de a parosmia sumir por conta própria, existem alguns exercícios que as pessoas podem fazer em casa para tentar recuperar o paladar e o olfato de maneira acelerada. Por exemplo, recomenda-se que os indivíduos impactados realizem um treinamento de olfato 2 vezes por dia por pelo menos 3 meses.

Esse treinamento envolve cheirar o mesmo grupo de aromas por 20 segundos de cada vez. É recomendado que os aromas selecionados para essa técnica tenham qualidades diferentes. Isso inclui odores:

  • frutado (limão);
  • florido (rosas);
  • apimentado (dente de alho);
  • resinoso (eucalipto).

Entre em nosso canal do Telegram e receba informações diárias, inclusive aos finais de semana. Acesse o link e fique por dentro: https://t.me/lagunainfoco

Fonte: Megacurioso

Comments

comments