Home Notícias Segurança ‘Não é uma suástica’, diz delegado sobre corte em corpo de jovem

‘Não é uma suástica’, diz delegado sobre corte em corpo de jovem

249

Mulher de 19 anos registrou ocorrência de agressão sofrida na Cidade Baixa, em Porto Alegre

O delegado Paulo César Jardim, que investiga o caso de uma jovem de 19 anos que teve o corpo marcado com um canivete na Cidade Baixa, em Porto Alegre, afirmou na tarde desta quarta-feira (10) que não se trata de uma suástica, símbolo nazista. Com base em uma fotografia da lesão, o policial entende que se trata de símbolo budista.

— Não é um suástica. Tenho absoluta convicção. O que temos é um símbolo milenar religioso budista. Símbolo de amor, paz e harmonia — disse o delegado, em entrevista ao programa Gaúcha+.

A vítima da agressão seria ouvida ainda durante a tarde desta quinta. Ela contou aos policiais que portava um objeto de plástico com o símbolo  LGBT+ e o termo “EleNão” — movimento contrário à eleição de Jair Bolsonaro (PSL) — na mochila . Jardim, considerado especialista na investigação de casos de neonazismo, afirmou que ainda não viu pessoalmente a lesão no corpo da jovem.

— Sou especialista nesta área. O movimento neonazista, quando iniciou, pegaram um símbolo budista e inverteram ele. O que temos aí é o símbolo budista — afirmou.

Questionado se haveria sentido em agredir alguém para marcar um símbolo de amor em seu corpo, o delegado argumentou que não pode descartar nenhuma hipótese.

— Até o presente momento estou trabalhando o que eu tenho. Não posso imaginar. O que eu tenho? A moça teria sido agredida por três pessoas — argumentou.

Anteriormente, em entrevista a GaúchaZH, Jardim havia afirmado que o autor das agressões poderia não ter conhecimento sobre o símbolo nazista:

 — Me chama a atenção que o desenho é semelhante a uma suástica, mas não está correto. Está ao contrário. Quem fez aquilo ali não sabia o que era uma suástica — disse. 

Jardim relatou ainda que os policiais estão em busca de imagens de câmeras de segurança e de possíveis testemunhas.

Procurado, o chefe de Polícia, delegado Emerson Wendt, disse que a orientação é “de que se trata de uma lesão, é uma circunstância grave que deve, merece e precisa ser apurada”.

Comments

comments