terça-feira, setembro 25, 2018
Home Notícias Geral Luta Nacional Contra a Reforma da Previdência terá dia de protesto

Luta Nacional Contra a Reforma da Previdência terá dia de protesto

1324
Foto: Divulgação

Hoje é o Dia Nacional de Luta Contra a Reforma da Previdência e, com objetivo de chamar atenção para a causa, os movimentos sindical e social do Sul catarinense realizarão manifestações em forma de protesto. Em Criciúma, o ato acontece a partir das 8h em frente à agência do INSS do município.

Conforme a organização do protesto, a manifestação será realizada, também, para denunciar a precarização do atendimento no INSS. A expectativa é que participem em torno de dez sindicatos, bem como membros do movimento estudantil, associação de aposentados, entre outros grupos sociais.

Segundo o presidente do Sindicato dos Bancários de Criciúma e Região, Edegar da Cunha Generoso, o movimento sindical entende que não é o momento para se baixar a guarda. “Os parlamentares precisam sentir-se pressionados pela população, para que não venham a cometer o crime de aprovar uma reforma que vai penalizar brutalmente os trabalhadores. Quando a coisa é muito forçada e não se debate às claras, é porque não é boa para a população e esconde uma segunda intenção que, nesse caso, é beneficiar os banqueiros”, completa.

A manifestação começa às 8h e a intenção dos sindicatos é manter o ato, pelo menos, até às 16h, com possíveis passeatas pela cidade. De acordo com o diretor de divulgação do Sindicato dos Trabalhadores da Alimentação de Criciúma e Região, Célio Elias, não há estimativa do número de pessoas que o protesto poderá reunir, uma vez que será um ato abrangente, que ocorrerá em todas as regiões do Brasil.

“Em Criciúma nos reuniremos em frente à agência do INSS porque é o símbolo maior da destruição do que propõe o governo do presidente Michel Temer. Essa reforma vem para achatar cada vez mais o direito dos trabalhadores e daqueles que estão prestes a se aposentar. Só foi construída como plano de fundo para o sistema financeiro passar a lucrar mais com as previdências privadas e, por isso, não vamos parar de nos manifestar”, conclui.

Com informações do site Clicatribuna

Comments

comments