sexta-feira, dezembro 14, 2018
Home Notícias Esporte Imbituba: Projeto da sede própria da escola de surfe do Bananinha vai...

Imbituba: Projeto da sede própria da escola de surfe do Bananinha vai sair do papel

378

Depois da repercussão do trabalho voluntário que é feito por ele, através do programa Caldeirão do Huck, da TV Globo, as tratativas foram iniciadas.

O sonho de uma sede própria para o projeto “Educar para a vida”, do professor Leandro Elias, o Bananinha, começa a sair do papel. Depois da repercussão do trabalho voluntário que é feito por ele, através do programa Caldeirão do Huck, da TV Globo, as tratativas foram iniciadas.

Na tarde desta terça-feira (02), um grupo formado pelo surfista, por um assessor do projeto e por duas representantes de um escritório de engenharia, esteve na sede da Prefeitura de Imbituba para uma reunião com os representantes do município. Em pauta, a possibilidade da liberação de uma área junto ao Patrimônio da União e da construção da estrutura.

“Esse é um projeto muito legal. O município já vinha tentando atender ao projeto com outras opções. Uma das solicitações do professor Bananinha diz respeito à construção de uma sede própria. O município está vendo a viabilidade do local para a construção do espaço e acredito que vá dar tudo certo”, disse Norton Evaldt, diretor de Esportes da Prefeitura de Imbituba.

Após a reunião, o grupo seguiu para a Praia do Porto, junto de um engenheiro da Secretaria de Urbanismo do município. No local, alguns pontos foram vistoriados. Nos próximos dias, uma análise sobre a viabilidade será apresentada aos representantes do Projeto Educar para a Vida.

“As energias se voltaram para o projeto. Agora, todo mundo olha com uma visão diferente, já que o projeto é focado na educação. Todo mundo viu na televisão, que o projeto é a cara do brasileiro”, enfatizou o professor Bananinha.

Se tudo transcorrer dentro do esperado, o projeto para a construção da nova sede deve ficar pronto em duas semanas.

“A gente já vinha desenvolvendo um projeto no terreno do professor Bananinha, onde ele mora. Mas, surgiu essa possibilidade de expandi-lo para um terreno mais ideal. Então, vamos trabalhar com força total pra ter esse projeto em mãos em duas semanas, para mantermos o gás de toda essa visibilidade”, informou a arquiteta, Camila Bergman.

Comments

comments