Descoberta bactéria intestinal que pode reverter doença de Parkinson

148

Uma bactéria comum que melhora a saúde digestiva pode retardar e até reverter, o acúmulo de uma proteína associada à doença de Parkinson, sugerem novas pesquisas.

Associando a função cerebral às bactérias, em pesquisas anteriores, foi identificado um probiótico, as chamadas “boas bactérias”, que impede a formação de aglomerados tóxicos que causam fome no cérebro da dopamina, uma substância química essencial que coordena o movimento.

A perda dessas células causa os sintomas motores associados ao Parkinson, incluindo congelamento, tremores e lentidão de movimento.

Essas novas descobertas, publicadas no Cell Reports nesta semana, podem preparar o caminho para estudos futuros que avaliam como suplementos como probióticos afetam a condição.

Lombrigas

Os pesquisadores das universidades de Edimburgo e Dundee usaram lombrigas alteradas para produzir a versão humana da alfa-sinucleína que forma aglomerados.

Eles alimentaram esses vermes com diferentes tipos de probióticos vendidos sem receita, para ver se as bactérias neles poderiam afetar a formação de aglomerados tóxicos.

Os cientistas descobriram que um probiótico chamado Bacillus subtilis teve um efeito protetor notável contra o acúmulo dessa proteína e também eliminou alguns dos aglomerados de proteínas já formados. Isso melhorou os sintomas de movimento nas lombrigas.

Os pesquisadores também descobriram que a bactéria foi capaz de impedir a formação de aglomerados tóxicos de alfa-sinucleína, produzindo substâncias químicas que alteram a maneira como as enzimas nas células processam gorduras específicas chamadas esfingolipídios.

O estudo foi financiado pelo Parkinson UK, o EMBO e a Comissão Europeia. É o mais recente de vários estudos recentes que encontraram uma ligação entre a função cerebral e os milhares de diferentes tipos de bactérias que vivem no sistema digestivo, conhecido como microbioma intestinal.

Outros estudos em ratos descobriram que o microbioma intestinal afeta os sintomas motores.

“Os resultados oferecem uma oportunidEade para investigar como a mudança das bactérias que compõem nosso microbioma intestinal afeta o Parkinson”, disse a pesquisadora Maria Doitsidou, do Centro de Descoberta de Ciências do Cérebro da Universidade de Edimburgo.

“Os próximos passos são confirmar esses resultados em camundongos, seguidos de ensaios clínicos acelerados, já que o probiótico que testamos já está disponível comercialmente”.

Beckie Port, gerente de pesquisa da Parkinson UK, disse:

“A doença de Parkinson é a condição neurológica que mais cresce no mundo.

Atualmente, não há tratamento que possa retardar, reverter ou proteger alguém de sua progressão, mas ao financiar projetos como esse, estamos antecipando o dia em que haverá.

“Acredita-se que as mudanças nos microrganismos no intestino desempenhem um papel na iniciação do Parkinson em alguns casos e estejam ligadas a certos sintomas, por isso há pesquisas em andamento sobre saúde e probióticos no intestino.

“Os resultados deste estudo são empolgantes, pois mostram uma ligação entre bactérias no intestino e a proteína no coração da alfa-sinucleína de Parkinson.

Estudos que identificam bactérias benéficas para a doença de Parkinson têm potencial para não apenas melhorar os sintomas, mas também podem proteger as pessoas do desenvolvimento da doença. ”

Com informações Universidade de Edimburgo/GNN

Fonte: só noticia boa

Comments

comments