Home Notícias Segurança Denunciado por morte de modelo é preso preventivamente em Imbituba

Denunciado por morte de modelo é preso preventivamente em Imbituba

2514
Foto: Divulgação

O oficial de Cartório acusado de matar a namorada Isadora Viana Costa descumpriu as medidas cautelares estabelecidas pelo Poder Judiciário.

O oficial de Cartório de Registro de Imóveis de Imbituba, denunciado pelo Ministério Público de Santa Catarina – MPSC pelo crime de homicídio qualificado por feminicídio, foi preso preventivamente nesta segunda-feira (16).

Acusado de matar a namorada Isadora Viana Costa em maio desse ano, ele descumpriu as medidas cautelares fixadas pela Justiça, o que levou a Autoridade Policial a requerer a prisão preventiva do réu. Com manifestação favorável da 2ª Promotoria de Justiça da Comarca de Imbituba, o pedido foi deferido pelo Poder Judiciário.

De acordo com o promotor de Justiça, Victor Abras Siqueira, diligências autorizadas judicialmente demonstraram que, apesar de proibido por medida cautelar, o réu continuava fazendo uso de bebidas alcoólicas: no cumprimento de mandado de busca e apreensão no local onde estava alojado, foram encontradas quatro garrafas de vinho vazias, uma pela metade e uma cheia, taças com resquício de vinho e duas garrafas long neck de cerveja, uma vazia e uma cheia.

Além disso, conforme apurou a Autoridade Policial, o acusado estaria proferindo ameaças ao delegado que conduziu o inquérito pela morte de Isadora em grupo de WhatsApp. “A decretação da prisão preventiva do acusado é medida que se impõe, pois a manutenção da sua liberdade põe em risco a ordem pública e o andamento da instrução criminal”, considerou o Juízo da 2ª vara da Comarca de Imbituba ao analisar o pedido.

Na ação penal, o Ministério Público demonstrou que ele cometeu feminicídio contra a namorada e, ainda, que o crime foi qualificado por motivo fútil e por usar recurso que impossibilitou a defesa da vítima, além de cometer fraude processual, ao modificar a cena do crime a fim de induzir o perito a erro.

Colaboração: Comunicação MPSC

Comments

comments