10 grandes empresas começam 2ª fase de ajuda a brasileiros: covid

647
Fotos Pixabay

Grandes empresas entraram em uma segunda fase de ações para ajudar brasileiros nesses dias de isolamento social da covid-19, que provocou falta de trabalho e de dinheiro.

São nomes pra gente não esquecer, pelo exemplo de solidariedade e de responsabilidade social. Veja:

Coca-Cola

A Coca-Cola criou um fundo de R$ 45 milhões para ajudar 11 mil cooperados e autônomos com R$ 600 por mês por um período de dois meses.

“A gente acredita que nesse momento complexo o melhor a fazer é atuar em rede, onde unimos esforços e ajudamos os que mais necessitam. Para isso, criamos um fundo garantidor de renda mínima para a população de catadores e de baixa renda em algumas comunidades”, disse o presidente da empresa no Brasil, Henrique Braun, em nota enviada ao SóNotíciaBoa.

A ação deve ajudar 70 comunidades de 14 estados e Distrito Federal, onde vivem cerca de 3 milhões de pessoas.

Os recursos também estão sendo gastos com ações de conscientização, prevenção do contágio com compra e distribuição de produtos de higiene, proteção e limpeza e compra de alimentos, bebidas e cestas básicas.

Além do fundo, a Coca-Cola está entregando mais de 1,8 milhão de garrafas de água para 79 hospitais de campanha e referência no tratamento da Covid-19 em todo o país, começando por São Paulo, Amazonas, Mato Grosso e estados do Nordeste.

A água está sendo entregue em embalagens individuais, para atender com segurança as equipes médicas nos plantões e emergências.

Houve ainda um aporte de R$ 2 milhões para compra de equipamentos para UTIs no Distrito Federal realizado pelo engarrafador da região.

Também no DF, A Coca-Cola Brasil e Brasal Refrigerantes estão doando 48 mil unidades de garrafas de 500ml de Água Crystal, o equivalente a 24 mil litros, em apoio aos profissionais de saúde na linha de frente no combate ao Covid-19.

A entrega do primeiro lote para a Secretaria de Saúde do GDF, órgão responsável pela distribuição, foi realizada nesta quarta, 27 de maio.

“Vivemos um momento atípico, em que a solidariedade se torna fundamental. Buscamos com essa atitude reconhecer e agradecer a todos os profissionais da saúde, de todos os níveis, comprometidos nessa batalha”, afirma Victor Bernardes, diretor comercial e de marketing da Brasal Refrigerantes, em nota ao SóNotíciaBoa.

Ambev

No Rio de Janeiro, a Ambev fez uma parceria para ajudar ambulantes que vendiam os biscoitos Globo nas praias, agora interditas e sem banhistas.

A Antarctica decidiu comprar lotes do produto, que serão vendidos na plataforma Zé Delivery e todo o lucro será revertido para os vendedores ambulantes da cidade.

“Um ícone carioca como o Biscoito Globo precisa ser valorizado. Também esperamos contribuir para complemento de renda dos ambulantes, que perderam parte do seu sustento”, afirma Pedro Araújo, gerente de marketing da Ambev Rio de Janeiro, em nota.

A partir desta semana os pacotes de Biscoito Globo individuais e em kits promocionais com a cerveja Antarctica serão vendidos pelo aplicativo de entregas de bebidas Zé Delivery em diversos pontos da capital.

O biscoito terá valor de venda unitária de 2 reais e as pessoas também poderão comprar um kit com 3 pacotes e 6 latas de cerveja.

A Ambev informa que tanto o valor do lucro do biscoito quanto da Antarctica serão doados aos ambulantes, que receberão o crédito via aplicativo Ame Digital, que tem o cadastro dos autônomos das praias cariocas e que desde janeiro vêm realizando vendas pela plataforma.

Campari

O Campari Group começa a segunda leva de doações de álcool 70% para combate ao coronavírus em Pernambuco.

Produção de álcool 70% é destinada aos principais hospitais de Recife.

Iniciada em abril, a primeira doação de tonéis de mil litros foi realizada para cinco hospitais, mas, com a constante evolução do contágio do vírus e continuando o plano de fornecimento de três meses pela empresa, o reabastecimento já está acontecendo e três novas instituições também entraram na lista: UPA Dulce Sampaio, SAMU Manoel Borba e Hospital Maria Alice Gomes Lafaiete.

O grupo mobilizou a produção de sua fábrica de Suape (PE) para ajudar o estado que, de acordo com boletim divulgado dia 26/05 pela Secretaria da Saúde já conta com 29.919 casos confirmados.

Fundação Casas Bahia

A Fundação Casas Bahia apadrinha cinquenta escolas estaduais do Rio de Janeiro e viabiliza aulas de empreendedorismo na grade curricular do ensino médio

A ação acontecerá por meio de investimento da Fundação no Projeto Trilha Empreendedora, da ONG Junior Achievement.

A metodologia tem uma sequência de programas de empreendedorismo, educação financeira e preparação para o mercado de trabalho que estão atreladas à grade curricular do ensino médio. O projeto também tem parceria com dezoito empresas ligadas ao Instituto Brasileiro de Petróleo e Gás (IBP), Michelin e com a Secretaria de Estado de Educação do Rio de Janeiro (Seeduc).

Ao todo, oitenta escolas terão as aulas de empreendedorismo.

A Fundação Casas Bahia é responsável por viabilizar financeiramente 62% do projeto, que deve impactar diretamente uma média de 10 mil alunos da rede pública de ensino. Os programas da Trilha tratam de assuntos como as vantagens de permanecer na escola, ética, gestão de projetos, inovação, economia pessoal e o futuro no mercado de trabalho, todos com atividades práticas e criativas para enfatizar o aprendizado.

Mallory

A Mallory produz e faz doação de 30 mil máscaras estilo ‘face shield’ a órgãos de saúde e pequenas empresas.

Uma das principais produtoras de eletroportáteis do país, a indústria trabalha em parceria com o Senai, para fazer as 30 mil máscaras que serão doadas a órgãos de saúde, instituições e empresas locais.

As máscaras produzidas são do tipo “Face Shield” – semelhantes a viseiras de capacetes, uma das mais indicadas no combate ao contágio do novo coronavírus por possibilitar uma barreira física, que funciona como uma espécie de escudo, protegendo o rosto de cada indivíduo. Os equipamentos são indicados para profissionais de saúde e empresas que têm processos específicos e que exigem uma aproximação entre clientes e fornecedores.

“A Mallory vem procurando fazer a sua parte desde o início da pandemia, prova disso é que estamos focados, nesse momento, na produção e doação de máscaras para assegurar especificamente a segurança para trabalhadores de vários ramos da economia em funcionamento, inclusive os nossos. Esta foi uma das formas mais urgentes que encontramos de contribuir”, disse a CEO Annette de Castro.

Em parceria com o Senai, a Mallory está trabalhando em ações de manutenção e reposição de peças para o funcionamento de respiradores mecânicos que são encaminhados a órgãos governamentais para o auxílio e benefício direto da população atingida pela covid-19.

Outra iniciativa é o suporte, através do núcleo de engenharia e pesquisa, no desenvolvimento de novos respiradores mais práticos e econômicos que, quando estiverem prontos auxiliarão os hospitais no combate ao coronavírus.

A Mallory também promoveu a campanha “Comprou doou”, onde a cada ventilador vendido no e-commerce, a marca destinou outro do mesmo modelo, a instituições beneficentes que trabalham com pessoas envolvidas nos grupos de riscos, como crianças e idosos.

Com isso, a empresa intensificou o acesso ao eletroeletrônico que vem se mostrando aliado para ventilação dos ambientes e amenizado a proliferação do novo coronavírus. Além disso, a empresa já realizou doações de cestas básicas para população mais vulnerável, entrega de produtos de forma solidária e distribuição de máscaras.

5àSec

A rede de lavanderias 5àSec vai oferecer serviço gratuito para profissionais da saúde que trabalham na linha de frente.

Em São Paulo, a rede distribui vouchers no valor de R$ 50 a profissionais de saúde do INCOR, Instituto do Coração.

A ação vai distribuir mais de 1.000 cupons de impressões, com validade até o dia 30 de julho.

Após o cadastro, o profissional poderá escolher entre limpeza de roupas em geral, roupas de cama ou objetos.

As peças serão retiradas no endereço indicado e devolvidas ao final do serviço.

“Após liberar o delivery gratuito, optamos em desenvolver uma iniciativa que pudesse aquecer o coração de quem se dedica a salvar vidas em meio a pandemia. A entrega dos vouchers será um singelo agradecimento por todo empenho, esforço e consideração das profissionais de saúde neste momento”, conta o CEO Brasil da 5àsec, Fábio Roth.

Itaú Unibanco

O Itaú Unibanco, por meio da Fundação Itaú para Educação e Cultura e do Instituto Unibanco, está doando de R$ 150 milhões para infraestrutura hospitalar, compra de equipamentos (como, por exemplo, respiradores), cestas de alimentação e kits de higiene, de forma a apoiar as comunidades vulneráveis e ajudar na contenção e tratamento dos infectados pelo coronavírus.

O destino do investimento está sendo avaliado frente às necessidades mais urgentes e à disponibilidade de produção e entrega.

O Itaú Unibanco informou que tem absoluta consciência da gravidade da crise decorrente do avanço da covid-19 e vem mobilizando toda a sua estrutura para apoiar clientes, colaboradores e a sociedade brasileira neste contexto desafiador.

As doações a seguir, em bullets, estão contidas nestes R$ 150 milhões.

Mondelez

A Mondelez Brasil doou mais de 220 toneladas de produtos, entre chocolates, biscoitos e produtos não perecíveis, para 14 estados.

A multinacional também distribuiu produtos alimentícios para funcionários do Hospital das Clínicas, em São Paulo, e do Hospital do Trabalhador, em Curitiba.

A Mondelez Brasil investiu, ainda, R$ 300 mil em equipamentos de proteção individual para 73 municípios produtores de cacau. No total, a empresa doou R$ 5,3 milhões.

“Principalmente nas comunidades onde nós estamos inseridos com as nossas fábricas e com as nossas unidades de distribuição, nós temos direcionado as doações para essas regiões. A empresa se sente como parte da sociedade nessa luta contra a Covid”, diz Liel Miranda, presidente da Mondelez Brasil.

Copel

A Copel, Companhia Paranaense de Energia, doou R$ 5 milhões para o combate ao coronavírus no estado do Paraná. Uma parte do dinheiro foi para comprar 200 mil kits de testes PCR da Covid-19 para o Instituto de Biologia Molecular do Paraná, ligado à Fiocruz.

A Copel também doou 1,2 milhão de máscaras de uso hospitalar para a Funpar, Fundação de Apoio à Universidade Federal do Paraná, que vai distribuir o material para instituições médicas.

99

A 99, aplicativo de transporte, está doando R$ 33 milhões em ações de combate à pandemia.

A maior parte está num fundo de apoio a motoristas e entregadores diagnosticados com a Covid-19. Quem precisa parar de trabalhar recebe ajuda financeira.

A empresa investiu R$ 4,3 milhões para desinfetar cem mil carros de motoristas parceiros.

A 99 está custeando o transporte da volta para casa de mães e bebês recém-nascidos. Corrida de graça também para profissionais de saúde que vão vacinar idosos em domicílio ou levar medicamentos para comunidades de baixa renda.

“A gente tem muito claro já que a construção do novo normal já começou. E nós acreditamos que esse é um momento de repensar nossa sociedade e a nossa responsabilidade. Começar a criar agora as soluções que vão ajudar a gente ter um futuro melhor”, destaca Davi Miyake, diretor de Operações da 99.

Anglo American

A Anglo American, empresa de mineração, destinou R$ 20 milhões a ações de combate ao novo coronavírus no Brasil.

A empresa britânica está doando equipamentos como respiradores, desfibriladores, além de aventais descartáveis para dez cidades onde atua.

A companhia vai doar, ainda, R$ 500 mil para a Fiocruz, para apoiar programas de pesquisa e produção de kits para diagnóstico da doença.

A Anglo American também contratou cerca de 90 costureiras para produzirem máscaras para doação.

“A gente conseguiu manter, de certa forma também, ativa a economia local. Ao invés de comprar máscaras fora, fabricá-las bem próximo das nossas operações. Nós temos um papel social importante a desempenhar e queremos fazer parte do combate a essa pandemia”, afirma Wilfred Bruijn, presidente da Anglo American no Brasil.

Fonte: SóNotíciaBoa

Comments

comments